domingo, 28 de setembro de 2008

ENERGIA SOLAR NA AUSTRÁLIA

Situada no deserto da Austrália, esta fábrica de energia solar será a mais alta construção do mundo e também a mais ambiciosa obra para gerar electricidade a partir de uma fonte não poluente. O maior projecto de produção de energia solar do planeta está a ser construído em Mildura, no meio do deserto australiano.

Uma torre de 1 km de altura por 130 m de diâmetro, que será a mais alta construção do mundo quando ficar pronta, em 2009; será erguida no centro de um imenso painel solar, de 20 km quadrados. Se tudo correr como o previsto, o calor gerado pelo painel formará uma corrente de ar de até 50 km/h na enorme chaminé, o bastante para movimentar 32 turbinas, gerar 200 megawatts de energia e abastecer até 1 milhão de pessoas. O gigantismo do projecto dá uma ideia de quanto as fontes renováveis, como o sol e o vento, começam a merecer atenção e a tornarem-se viáveis. O filme é de aproximadamente 3 minutos e vale a pena ser visto.

video

(Com os devidos créditos à Professora Nélia Sousa)

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

SABIA QUE...

  • Uma tonelada de papel reciclado evita o corte de 15 a 20 árvores, economiza energia eléctrica e cerca de 10 mil metros cúbicos de água?
  • Uma tonelada de alumínio reciclado evita a extracção de 5 toneladas de minério?
  • Cem toneladas de aço reciclável poupam 27 kWh de energia eléctrica e 5 árvores usadas como carvão no processo de minério de ferro?
  • Cem toneladas de plástico reciclado evitam a extracção de 1 tonelada de petróleo?
  • Uma tonelada de vidro reciclado evita a extracção de 1,3 toneladas de areia?

Então pense duas vezes antes de depositar os seus resíduos no lixo. Utilize o ecoponto.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O CLUBE ECO


Em actividade pelo terceiro ano consecutivo, o Clube Eco está a receber inscrições - até ao dia um de Outubro - para o corrente ano lectivo. Este ano com algumas alterações relativamente aos anos anteriores, a principal das quais o facto de ser dinamizado por dois docentes, este projecto de actividades de enriquecimento curricular pretende assumir cada vez mais papel de relevo na educação e formação ambiental dos nossos jovens (e não só).
O horário de funcionamento é diferenciado para alunos de 2.º e 3.º ciclo, conforme se segue:
  • Alunos do 2.º ciclo - terças-feiras, 16h15 – 17h45;
  • Alunos do 3.º ciclo - segundas-feiras, 08h30 – 10h00.

Tal como referido anteriormente, este ano serão dois os docentes dinamizadores, verificando-se a continuidade de Renato Azevedo a quem se junta agora a professora Élia Rodrigues.

Se gostas das temáticas ambientais, se gostas de trabalhar em equipa, procura o teu Director de Turma e inscreve-te enquanto é tempo.

NOTA: As inscrições estão limitadas aos primeiros cinquenta alunos.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

CLASSIFICAÇÃO FINAL PILHA-Ó-TINTEIRO

Na última recolha do ano lectivo 2007/2008 foram contabilizados 15,68 kg de pilhas e baterias de TM o que, adicionado ao acumulado anterior, perfez o total de 80,631 kg de resíduos arrecadados durante o ano. Um valor aquém dos 94,52 kg do ano lectivo anterior mas, ainda assim, significativo para uma escola com pouco mais de trezentos alunos.
Lembramos que as pilhas recolhidas foram entregues no Modelo da Ribeira Brava, no âmbito da participação da nossa escola no concurso Pilha de Livros, promovido por aquela cadeia de supermercados – conseguimos encher oito pilhões, ainda assim insuficientes para vencermos aquele concurso. No que concerne a tinteiros foram recolhidos 27, perfazendo um total de recolhas de 184 unidades.
A classificação final ficou então ordenada do seguinte modo:
  • Samuel Castro (7.º B) - 762 pontos;
  • Duarte (4.º ano) - 339 pontos;
  • Beatriz Jardim (7.º B) - 261 pontos;
  • Filipe Rodrigues (8.º B) - 242 pontos;
  • Leonel Alves (7.º B) - 230 pontos;
  • André Camacho (6.º A) - 191 pontos;
  • Vítor (3.º ano) - 170 pontos;
  • Diogo Martins (7.º C) 156 pontos;
  • André (4.º ano) 120 pontos;
  • Olga (5.º C) 119 pontos.

No dia do hastear da bandeira verde serão atribuídos prémios aos três primeiros classificados. Parabéns aos vencedores e a todos os que participaram nesta campanha.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

RECORDANDO O NOSSO ECO-CÓDIGO...

  • Reduzir, reciclar e reutilizar, é a regra dos 3 Rs que todos devem praticar;
  • Porque eu não quero poluir, os lixos vou separar e no ecoponto depositar;
  • Papel, cartolina e cartão, se já não os posso aproveitar… vão directos p’ró papelão;
  • Só tomo banho de chuveiro e a torneira fecho ao escovar os dentes, porque para a água não faltar temos de ser inteligentes;
  • Se está Sol as janelas vou abrir para a luz deixar entrar e electricidade poupar;
  • Ao vir de bicicleta para a escola não poluo o Ambiente e deixo o planeta contente;
  • Se o carro do teu pai já está velho se calhar é hora de mudar, pede-lhe para comprar um híbrido e o Ambiente poupar;
  • Porque as plantas e animais nos ajudam a viver, a flora e fauna temos o dever de proteger!
  • Reclamamos do dióxido de carbono, queixamo-nos do pouco oxigénio, a solução é preservar a floresta (não é preciso ser génio!)

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

RECORDANDO O HERÓI FUTURENERGIA

O Energizer é um rapaz prodígio nascido na ilha da Madeira, em Portugal. Cresceu junto à praia e sempre adorou o contacto com a Natureza, a prática de desporto ao ar livre, enfim, o Sol. Desde muito cedo sempre comeu muitos vegetais e bebia muita água. Ah, o quanto o menino Energizer adorava fruta e legumes frescos!Apesar de sempre ter sido uma criança muito activa e alegre, os seus pais constataram que, com o passar dos anos, o menino Energizer se alimentava cada vez menos. No entanto irradiava felicidade e parecia estar a crescer saudável e forte! Estranhando tal situação levaram-no a um pediatra que constatou que um estranho fenómeno metabólico ocorria no seu organismo: o Energizer possuía a capacidade de converter a energia solar em energia química, que acumulava nos seus tecidos, constituídos por… células fotovoltaicas!Aos dez anos o Energizer era já capaz de correr mais rápido do que um carro de fórmula 1 e de saltar mais alto do que qualquer atleta olímpico! Nos anos que se seguiram os seus super-atributos continuaram a se desenvolver exponencialmente. O Energizer percebeu então que era especial, decidindo colocar os seus super poderes ao serviço do nosso planeta. Desde então desloca-se de continente para continente, graças à sua extraordinária capacidade de propulsão e ao fato cor-de-laranja ultra-robusto e extra-leve constituído por uma liga de polietileno, que lhe permite poupar ao máximo a sua energia, na missão de salvar o nosso planeta dos glutões energéticos, os seus arqui-inimigos.Onde quer que hajam desperdícios de energia lá está o Energizer sempre pronto a combater os glutões energéticos e alertar todas as crianças do planeta para a necessidade de adopção de outras formas de energia alternativas aos combustíveis fósseis.

ALUNOS DA CALHETA COM MENÇÃO HONROSA


Os alunos Alberto Silva, Rafaela Sá e Sandra Barreto, da Escola Básica dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos/PE Professor Francisco M.S. Barreto, da Calheta, Madeira, receberam uma menção honrosa com "Energizer", um texto e uma ilustração com que concorreram à categoria "Perfil do Herói FuturEnergia". Estes alunos fazem parte de um grupo de estudantes portugueses que foram premiados num concurso sobre poupança de energia promovido pela associação europeia de fabricantes de plástico, a PlasticsEurope. Concorreram estudantes de 34 países europeus, com idades entre os 7 e os 20 anos. Esta foi a segunda edição do concurso 'O nosso futuro é energia', que tem como objectivo promover as questões da eficiência energética e da preservação do ambiente.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

MADEIRA RECICLOU 1,19 MILHÕES DE BATERIAS

A Madeira enviou em 2007, através do sistema Ecopilhas, 1.19 milhões de pilhas e baterias para reciclagem. Em comparação com os valores registados no ano anterior, verificamos que a Região foi aquela que mais cresceu, enviando cerca de 11 vezes mais unidades.
De acordo com os números divulgados, ontem, pela Ecopilhas, a Região Autónoma da Madeira enviou para reciclagem um total de 1.197.800 pilhas e baterias. Só no ano passado, segundo os mesmos dados, foram recolhidos 981.000, um aumento substancial, se atendermos que, no ano anterior, foram enviadas 80 mil unidades. Em relação aos Açores, a Região fica bem colocada, uma vez que a Madeira envia quase o dobro do número de pilhas e baterias enviadas pelo arquipélago açoriano, que nos últimos quatro anos enviou 591.880 unidades para reciclagem. Já no contexto nacional, verificamos que na frente da Madeira surje a Grande Lisboa, com 24.999.800 pilhas e bateriais enviadas para reciclagem, a região do litoral com 13.010.480, Grande Porto com 9.776.280, Interior Norte com 6.957.720, Algarve com 2.217.160 e o Interior Sul com 2.158.680. Números que se justificam, de alguma maneira, pelas diferentes dimensões populacionais. Um dado muito curioso a reter dos dados divulgados ontem foi a relação entre as pilhas e baterias enviadas em 2007 e o volume de unidades enviadas no ano anterior. Efectivamente, numa análise estatística, verificamos que a Madeira foi a que mais cresceu percentualmente, ou seja, enviou em 2007 cerca de onze vezes mais pilhas e baterias que no ano anterior.O sistema de recolha da Ecopilhas envolve actualmente mais de 1.600 entidades entre empresas, hospitais, escolas, supermercados, associações de municípios e sistemas multimunicipais, responsáveis por mais de 15.000 pontos de recolha. Destes, cerca de 12.000 são da responsabilidade dos municípios e 3.000 da responsabilidade directa da Ecopilhas.

domingo, 7 de setembro de 2008

CÂMARA DE LOBOS RECEBE II ENCONTRO REGIONAL DE ECO-ESCOLAS


Realizar-se-á no próximo dia 10 de Outubro, em Câmara de Lobos (tal como havíamos dito aqui), o II Encontro Regional de Eco-Escolas, promovido pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos. O município câmara-lobense é mesmo o segundo do país em número de escolas galardoadas – só superado por Sintra – contando este ano com vinte e uma “bandeiras verdes”.
Este encontro, à semelhança da I edição realizada em Porto Moniz, tem por objectivo fundamental reunir professores coordenadores do Programa Eco-Escolas e representantes de todos os estabelecimentos de ensino com projectos na área ambiental, possibilitando a partilha de objectivos comuns e troca de experiências, fornecer informação científica relativamente aos temas de trabalho do Programa Eco-Escolas e debater metodologias e estratégias de um projecto Eco-Escola.
Esta edição contará com a participação de vários prelectores de renome, entre os quais a Dra. Margarida Gomes, coordenadora nacional do programa, em representação da ABAE. Do programa provisório constam diversas intervenções e quatro workshops: “Projectos em Eco-Escolas”, “Agricultura Biológica – Hortas pedagógicas”, “Métodos Energéticos” e “Reciclar é Criar – Ambiente como forma de arte”.
De sublinhar que este ano a Região está novamente de parabéns já que o objectivo de alcançar meia centena de Eco-Escolas, definido o ano passado em Porto Moniz, foi amplamente superado: sessenta e três escolas reuniram os requisitos para a obtenção do galardão.
Pelo concelho da Calheta integram este lote as reincidentes EB 1/PE de Ladeira e Lamaceiros, EB 2,3 e Secundária da Calheta e, como não poderia deixar de ser, a nossa EB 1,2,3/PE Professor Francisco Barreto, que estará mais uma vez representada neste Encontro Regional de Eco-Escolas pelo professor Renato Azevedo, coordenador do programa.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

VOTE NAS NOVAS SETE MARAVILHAS


A primeira edição da campanha "Sete Novas Maravilhas do Mundo" foi um sucesso retumbante, para o qual contribuíram democraticamente mais de 100 milhões de votantes a nível global. Agora, a segunda campanha organizada pela entidade sem fins lucrativos New7Wonders Foundation para escolher as Sete Novas Maravilhas da Natureza apresenta um início promissor: cerca de 200 candidaturas foram apresentadas por cerca de meio milhão de pessoas nos primeiros meses da campanha. As nomeações podem ser enviadas para a campanha "Sete Novas Maravilhas da Natureza" até 31 de Dezembro de 2008. Para participar, verifique no mapa-mundo se a sua maravilha natural favorita foi sugerida. Deverá então depois entrar em contacto com as autoridades locais para garantir que estas constituem um Comité de Apoio Oficial à maravilha candidata.
A votação para os nomeados prosseguirá até 31 de Dezembro deste ano, ao que se seguirá a elaboração, por parte de um painel de peritos sob a liderança do Professor Federico Mayor, ex-director-geral da UNESCO, de uma lista de vinte e um candidatos a nível mundial de entre os mais votados da lista de nomeados. Os vinte e um finalistas serão depois apresentados ao voto popular, a partir dos quais serão eleitas as Sete Novas Maravilhas da Natureza.
E porque as “nossas” Selvagens são já uma das maravilhas que constam entre os nomeados…toca a votar! Vote aqui.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

ECO-ESCOLA OUTRA VEZ!

Pela segunda vez consecutiva a nossa escola foi distinguida com a bandeira verde, galardão atribuído pela ABAE que premeia os estabelecimentos de ensino que no decurso do ano lectivo desenvolveram projectos de qualidade no âmbito da educação ambiental.
Ao sucesso alcançado é indissociável o grande envolvimento da comunidade escolar no projecto Eco-Escolas, desde alunos, funcionários, professores e órgãos de gestão de um estabelecimento de ensino que tem na educação ambiental um dos pontos fortes do seu projecto educativo. Câmara Municipal da Calheta e Junta de Freguesia da Fajã da Ovelha foram outros parceiros “de peso” na materialização do projecto.
A concretização de cerca de oitenta acções/actividades culminou com a atribuição do desejado galardão. Dessas, uma houve que, sem desprimor para as restantes, julgamos merecedora de especial destaque: a participação da nossa escola no Concurso Rock in Rio Escola Solar, concurso de âmbito nacional direccionado às escolas do ensino básico e secundário de todo o país. A “Construção e instalação de aquecedores solares utilizando embalagens descartáveis”, projecto com que a escola se apresentou a concurso, sagrou-se um dos vinte vencedores de entre cento e noventa e sete candidatos.
Outra acção/iniciativa merecedora de destaque foi a política de “tolerância zero” decretada aos gastos de papel. O recurso às plataformas Moodle, Gato e diversos blogues para divulgação de informação, a opção por arquivos digitais de documentação por parte dos diversos departamentos e grupos disciplinares, a utilização de fichas de trabalho em suporte digital ou de ficheiros autocorrectivos são acções reveladoras da crescente sensibilidade da comunidade educativa para esta problemática.
Independentemente dos progressos evidenciados entendemos porém que o projecto Eco-Escolas é e será sempre um projecto inacabado. Sendo um programa que se reveste de carácter eminentemente formativo, o seu desenvolvimento é gradual e continuado, numa perspectiva de contributo para a formação contínua e integral dos alunos e demais participantes no programa. Daí que, estamos cientes, este ano incumbe-nos fazer mais e melhor.
A todos os que de alguma forma contribuíram para a obtenção do nosso segundo galardão o nosso sincero obrigado.

BIODIVERSIDADE, UM ASSUNTO GLOBAL

Ainda que todas as questões ambientais estejam sinergeticamente interligadas, o tema biodiversidade é não raras vezes relegado para plano inferior quando se abordam as temáticas ambientais – o assunto “da moda” é mesmo alterações climáticas. Por reconhecermos o importante papel da biodiversidade na preservação do nosso planeta e, particularmente, da nossa espécie, decidimos dedicar este ano, no nosso plano Eco-Escolas, particular atenção ao tema da biodiversidade e sua conservação, quer animal quer vegetal.
Antes de mais é importante ter-se uma ideia do que é a biodiversidade, termo que começou a ser utilizado nos anos 80. Muitas definições existem para este conceito. Sensu lato, a biodiversidade ou diversidade da vida consiste na variação da vida a todos os níveis de organização biológica, desde genes, indivíduos, subespécies, espécies, comunidades biológicas e ecossistemas.
Muitos perguntar-se-ão: mas porque é importante a biodiversidade? Que mal vem ao mundo se desaparecer esta ou aquela espécie, muitas das quais até nos são (aparentemente) prejudiciais? A resposta é simples: porque cada espécie, cada organismo faz parte de um todo e é graças a esse todo – a biodiversidade – que a nossa espécie consegue sobreviver neste planeta há já quase 2 milhões de anos.
Desde os seus primórdios o Homem aprendeu a explorar os recursos biológicos tendo em vista a sua subsistência, designadamente na obtenção de alimento, abrigo e calor, materiais industriais, medicamentos, etc. Hoje, como resultado da economia global, 90% da alimentação da população mundial procede de apenas 15 espécies. Destas, o trigo, o milho e o arroz fornecem cerca de 2/3 do total. Imaginemos então o que seria da população mundial se uma qualquer doença dizimasse a uma escala global a produção destes cereais.
Mas a importância da biodiversidade não se cinge aos recursos biológicos por si só. Não menos importante é o papel da biodiversidade nos chamados serviços ecológicos, assegurando o controlo da erosão e retenção de sedimentos, formação de solos, assimilação de resíduos, regulação do clima, polinização, fonte de água e sua regulação, etc.
Porém, a biodiversidade atravessa hoje uma crise global, traduzida por indicadores claros:
  • Mais de 75% das espécies de mamíferos desapareceram nos últimos duzentos anos;
  • Cerca de 25% das espécies actuais encontram-se ameaçadas de extinção;
  • A taxa de extinção actual é muito superior à taxa de extinção histórica (100-1000 espécies / ano contra 0.1 espécies /ano).

Perante este cenário surge uma questão inevitável: estaremos a atravessar outra extinção em massa?


PS: Tema a desenvolver na palestra Biodiversidade e Conservação prevista para este ano lectivo.